Coronavírus: apenas cerca de 1/3 dos entrevistados franceses tomariam a vacina COVID-19, mostra a pesquisa Euronews

Apenas pouco mais de um terço dos entrevistados franceses tomaria uma vacina de baixo custo COVID-19, revelou uma pesquisa encomendada pela Euronews.

Copyright AFP

Por euronews

A França está entre os países mais afetados pela doença na Europa, com mais de 33.000 mortes em 16 de outubro. Mas apenas 37% dos franceses questionados tomariam uma vacina de baixo custo se ela viesse disponível no próximo ano. Isso se compara a vários vizinhos da França, onde a maioria diz que seria vacinada. Os entrevistados no Reino Unido foram os mais interessados, com 63% apoiando a vacinação, seguido pela Alemanha (57%) e Itália (55%).

Também houve contraste entre o quarteto quando se tratou de avaliar a forma como o governo lidou com a crise do COVID-19. No Reino Unido – o país mais atingido na Europa em termos de mortes – e na França, a maioria dos entrevistados acha que seus governos não estão tomando as medidas certas para enfrentar a crise de maneira adequada. O governo da Alemanha obteve o melhor feedback dos quatro, com 62% aprovando sua gestão da epidemia. Na Itália, 54% dos entrevistados apoiaram a abordagem do governo.

Então, o que isso significa para as autoridades que estão pensando em voltar ao tipo de bloqueio nacional que vimos na primavera? A maioria no Reino Unido (58%) e na Alemanha (53%) apóia outro bloqueio, mas a ideia é menos popular entre os entrevistados na França (38%).

Se a pandemia está dividindo as populações a nível nacional, o que está fazendo com a esperança de uma abordagem unificada da UE, como os líderes em Bruxelas pediram? Por maioria significativa, alemães e italianos não acreditam que a União Europeia tenha uma estratégia comum para combater o vírus. Mas pouco mais da metade dos franceses vê uma unidade de propósito entre as nações da UE. A questão não surge na Grã-Bretanha, pois ela não é mais membro do bloco.

De modo geral, o otimismo que as pessoas experimentaram com a chegada do verão e o levantamento das restrições de bloqueio parece estar desaparecendo em meio à implacável evidência diária de aumento de casos e nova pressão sobre os serviços públicos de saúde. As pesquisas foram realizadas em nome da Euronews por Rudfield e Wilton. Amostras de 1.500 unidades foram utilizadas em cada país.

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese