Mãe mata dois filhos após praticar aborto no Reino Unido.

Mãe mata dois filhos e se suicida após sofrer aborto. E tem problemas ignorados por psiquiatra.

Por: Portal Zacarias

Sydnei Macforlane, 28 anos, de Greenwich, no Reino Unido, matou suas filhas, Dulce Dada, de 9 anos, e Rhys Dada, de 3 anos, e depois cometeu suicídio utilizando um coquetel de drogas.

Os corpos foram encontrados em uma cama da casa depois que a família constatou a polícia.

Macforlane, que era solteira estava deprimida após ter perdido seu terceiro filho e a amizade de uma pessoa próximo devido a um caso de infidelidade que foi exposto publicamente, de acordo com informações do Daily Mail.

O tribunal de Southwaek foi informado que Macforlane tinha entrado em contato com um psiquiatra doa serviços sociais após ter expressado pensamentos suicida.

No entanto ele não considerou que ela estivesse sofrendo com problemas mentais após vê-la otimista sobre o futuro, fazendo planos otimistas de retomar sua posição de enfermeira.

Contudo, 15 dias antes sua morte exposta publicamente um caso de dificuldade, que não foi discutido em detalhes pelo tribunal. Segundo sua amiga, Shauneen Langford Bell,  no dia em que cometeu suicídio, Macfarlane parecia estar muito chateada.

“Ela disse que tinha me pedido e não tinha mais razão para viver”, disse Lang Ford Bell. De acordo com a legista Andrew Harris, que cuidou do caso, a morte dos três foi causada por overdose de drogas possívelmente metadona.

“Ela escondia sua depressão dos outros por meio de drogas e tomou uma overdose letal”, disse ela. “Ela sofria ainda com extresse doméstica, incluindo problemas financeiros, aborto espontâneo, exposição à infidelidade, perda de uma amiga, potencial combate pela custódia de seus filhos e despejo iminente. Ela estava deprimida, mas procurou e recebeu ajuda famíliar, mas não tomou nenhum dos antidepressivos ou ligou para as linhas de aconselhamento”. Acrescentou.

Foi dito ainda que Macforlane teve uma infância difícil, uma vez que seus pais eram viciados em drogas. Ela também estava prestes a ser despejada de casa, embora sua família tivesse oferecido acomodação em outro lugar.

O pai das crianças, Sean Dada, disse que também tentou acalmar a mulher em relação às preocupações financeiras que tinha, afirmado que cuidaria dos filhos caso ela fosse despejada. No entanto, ela disse que nada disso aconteceria.

Contudo, o psiquiatra Prince Boampong que atendeu Macfarlane em agosto passado, negou que a saúde mental da paciente fosse motivo de grande recuperações. Segundo ele, em sua opinião médica, a mulher “não se mataria por causa dos filhos”.

No entanto, quando a polícia investigou a casa, encontrou mais de 30 certas escritas e inscrições nas paredes das salas que incluem frases como: “Ela teme por meus filhos e como uma mãe, devo concordar”, e “estou tirando o que é tóxico dela”.

“Eu diria que Ela estava passando por um momento de estresse. Ela estava angustiada, não insônia”. Durante a avaliação, ela revelou que estava deprimida desde os 14 anos de idade, e que estava sentindo mau humor por causa de coisas em sua vida, a principal era os problemas de habitação. Perguntou -lhe sobre o futuro e ele foi positivo, acrescentou. “Sua morte veio como um choque para mim”.

Compartilhe esta notícia!

Atividade Principal: Editor de Jornais Diários Independente. CNAE - 58.12 - 3/01. Formação: Pedagogo e Especialista em Psicopedagogia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese