Soluções para o Oriente Médio: Permita que as nações da Otan enviem tropas; leia a análise

Israel, EUA e outros aliados devem concordar com o envio de uma força internacional formada por países da Otan, com seu envio acordado entre Israel e os Estados Unidos e operando sob os auspícios do Conselho de Segurança da ONU

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, participa de coletiva de imprensa em Bruxelas, Bélgica  Foto: Saul Loeb / AP

Estadão

O The New York Times procurou pensadores, líderes políticos e especialistas para obter suas visões sobre o que poderia ser feito pelo futuro do Oriente Médio

De hoje, dia 25, até a quarta-feira, 27, o Estadão republica 10 artigos que refletem sobre o futuro da relação entre palestinos e israelenses – e o que pode ser feito para chegar à paz. Serão em média três textos por dia, sempre às 9h e às 17h, com exceção do dia 27, com quatro artigos, às 9h30, 14h30, 20h e 22h.

THE NEW YORK TIMES -A campanha militar de Israel continuará até que as capacidades militares do grupo terrorista Hamas sejam eliminadas e ele seja removido do poder. É difícil prever quanto tempo isso levará, mas, para sermos honestos, levará mais tempo do que as sociedades ocidentais estão preparadas para aceitar e mais tempo do que seus líderes – principalmente o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, amigo íntimo de Israel – estão dispostos a tolerar.

Por esse motivo, é imperativo que Israel forneça ao mundo uma imagem clara do que pretende fazer em seguida, depois que o exército tiver concluído seu trabalho. O atual governo israelense não tem resposta. Ele não teve tempo de preparar uma estratégia de longo prazo. Mas, mesmo que o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu e seus parceiros de coalizão não queiram ou não possam propor as próximas etapas necessárias, o restante de Israel – e qualquer pessoa que se preocupe com sua estabilidade e segurança – não pode mais evitar a questão.

Aqui está o que eu acho que deveria fazer parte desse plano:

Após a campanha militar para remover o Hamas do poder e destruir sua capacidade de lutar, as forças israelenses devem se retirar até a fronteira de Gaza.

Enquanto essa campanha continua, Israel, os Estados Unidos e outros aliados devem concordar com o envio de uma força internacional formada por países da Otan, com seu envio acordado entre Israel e os Estados Unidos e operando sob os auspícios do Conselho de Segurança da ONU.

A força internacional tomaria o lugar das Forças de Defesa de Israel em Gaza. As nações árabes provavelmente não estarão dispostas a enviar tropas. Embora o Egito, a Jordânia, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e a Arábia Saudita desejem nada mais do que a destruição do Hamas, que é uma força desestabilizadora para seus próprios governos, nenhum deles quer ser visto como alguém que ajuda a campanha militar de Israel.

A força internacional ajudaria a criar uma administração governamental diferente e começaria a reconstruir as autoridades civis e os sistemas de governo na Faixa de Gaza por aproximadamente 18 meses.

Israel deve anunciar que, com o fim de sua campanha militar, as negociações começarão imediatamente com a Autoridade Palestina com base em uma solução de dois Estados – que é o único horizonte político que pode oferecer estabilidade e cooperação entre israelenses e palestinos e cooperação diplomática, militar e econômica entre Israel e os Estados árabes moderados.

Não há dúvida de que o governo de Netanyahu não quer, não pode e não está preparado para tomar essas medidas. Portanto, antes que qualquer uma dessas medidas possa ser tomada, não há outra opção a não ser se livrar desse governo. Assim que ele sair e assim que a campanha militar em Gaza terminar, os primeiros passos para o que vem a seguir poderão ser dados.

* Ex-primeiro-ministro de Israel

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese