Mulher precisa retirar todo o nariz após meses sentindo cheiros estranhos; entenda

Lisa Mercer começou a ter sintomas como: nariz entupido, dor de cabeça e olhos lacrimejando até começarem os sangramentos e metade de seu rosto ficar dormente

Lusa Mercer precisa usar uma prótese magnética que precisa ser limpa três vezes ao dia — Foto: Reprodução

O GLOBO

Em janeiro de 2021, a britânica Lisa Mercer, 49, percebeu que seu nariz ficava entupido com muita facilidade além de sentir fortes dores. Durante uma consulta online com um médico, ela foi diagnosticada com sinusite e recebeu a indicação de um spray nasal que poderia resolver o problema, porém, esse foi apenas o começo de uma saga de dois anos que terminou com a descoberta de um câncer agressivo no nariz.

Quando o spray não funcionou, Lisa conseguiu encontrar o profissional de saúde presencialmente, e recebeu receita para tentar outro remédio. Porém, o segundo também não deu certo. “Comecei a sentir o nariz entupido, dor de cabeça e olhos lacrimejando o tempo todo. Depois comecei a ter sangramentos esporádicos e metade do meu rosto ficou completamente dormente”, lembra a mulher em entrevista ao jornal The Sun.

Em maio de 2021, Mercer procurou outro médico que a diagnosticou com uma infecção na ponta do nariz. Ela recebeu outro remédio, que também não funcionou. Ela então começou a sentir cheiros estranhos durante a maior parte do dia e disse que sentia como se tivesse um buraco dentro do nariz.

“Eu conseguia sentir um caroço e tinha um cheiro ruim, como de cocô. Nesse ponto, eu já estava convencida que estava com câncer”, conta. O nariz da mulher passou a mudar de formato, caindo para a direita, com inchaço e vermelhidão.

Depois de meses tentando marcar uma consulta presencial, ela finalmente foi diagnosticada como tendo um buraco no septo e, depois de uma ressonância e biopsia, foi confirmado o câncer no sino paranasal e base do crânio em estágio três.

Ela passou por duas cirurgias para retirar o tumor, mas nenhuma das duas teve sucesso. Por isso, os médicos decidiram retirar o nariz inteiro em uma cirurgia que demorou cerca de oito horas. A britânica passou ainda por 30 sessões de radioterapia.

Recentemente, ela recebeu a notícia de que não há mais células cancerígenas em seu corpo, mas ela usa uma prótese magnética que precisa ser limpa três vezes ao dia e precisa ser trocada a cada dois anos.

“Estou feliz de estar viva, mas acho que desenvolvi síndrome de estresse pós traumático por toda a experiência. Quando me vi pela primeira vez sem o nariz, foi assustador. Demorou muito tempo para que eu me acostumasse”, afirma.

Hoje, ela incentiva outras pessoas com sintomas semelhantes aos dela a pressionarem por encaminhamentos hospitalares mais completos. Mercer diz que os hospitais precisam de mais recursos para tratar pessoas com câncer

“Eu gostaria de ter pressionado mais [meu encaminhamento e diagnóstico] porque talvez eu ainda tivesse nariz e não teria esse medo do câncer voltar pairando sobre minha cabeça. Sinto que não recebi muita ajuda”, diz.

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese