“Bolsonaro dorme e acorda pensando em mim”, diz João Doria

Dória atribuiu ao presidente a interrupção dos testes da CoronaVac.

© Sérgio Lima/Poder360O governador João Doria (PSDB) ao lado do presidente Jair Bolsonaro durante encontro em Brasília, em novembro de 2018

Por Poder 360

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou o presidente Jair Bolsonaro em entrevista concedida à revista Veja e publicada nesta 6ª feira (13.nov.2020).

O tucano atribuiu ao presidente a interrupção dos testes da CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Anunciada pela Anvisa na 2ª feira (9.nov), a suspensão ocorreu após a agência ter sido notificada da morte de 1 dos voluntários que, mais tarde, informou-se ter sido por suicídio. Na 4ª feira (11.nov), a Anvisa autorizou a retomada dos testes.

“Nem a própria Anvisa acreditou naquilo que propagou. Ficou claro que a decisão foi motivada por uma orientação ou pressão exercida pelo Palácio do Planalto. Foi 1 fato inédito na história da agência. Espero que ela volte ao caminho de antes —de garantir a segurança, mas também a celeridade do processo, sem fazer escolha de vacinas”, disse Doria.

A politização em torno da corrida pelas vacinas, segundo o governador, é motivada por uma suposta perseguição de Bolsonaro.

“Vou recomendar ao presidente que não sonhe comigo todas as noites, porque ele dorme e acorda pensando em mim. Espero que tenha outras coisas para pensar, como cuidar do Brasil, e não só em eleição”, afirmou.

O governador disse que, embora não tenha “vocação para ruptura”, considera provável a judicialização de questões relativas à vacina.

“Se continuar com esses problemas, o caminho obviamente será o da judicialização. Tivemos a manifestação do ministro Ricardo Lewandowski [do STF] no sentido de pedir mais informações sobre o caso da CoronaVac à Anvisa, uma ação provocada pelo Partido Verde. Não será apenas o governo paulista, mas instituições, partidos, democratas e pessoas de bem que recorrerão ao STF para proteger as suas vidas”, declarou.

“[O caminho seria] Acionar o STF, usando principalmente a Lei 13.979, que permite a importação e o uso de medicamentos autorizados por agências reguladoras internacionais. Mas nós não temos vocação para a ruptura. O diálogo e o entendimento serão sempre o melhor caminho para chegar a 1 bom termo, mesmo com o governo Bolsonaro”, disse.

Doria disse ainda que acredita que a eleição de Biden vai “influenciar positivamente” o Brasil. Bolsonaro ainda não reconheceu a vitória do democrata Joe Biden, declarado eleito pelas principais empresas de comunicação dos Estados Unidos.

“Jair Bolsonaro perde a sua grande referência, Donald Trump. Ele terá agora de conviver com uma postura diametralmente oposta à que tanto idolatrou. Biden é 1 homem centrado, equilibrado, que defende os temas ambientais, não é dado aos extremos e a atitudes revanchistas”, afirmou.

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese