Cássio e Weverton salvam Corinthians e Palmeiras com defesas milagrosas uma em cada tempo do dérbi

Goleiro corintiano impede gol de Breno Lopes aos 48 minutos do 2º tempo; o arqueiro do time visitante faz o mesmo na etapa inicial, em conclusão de Maycon: empate é ruim para os dois no Brasileirão

Corinthians e Palmeiras fizeram o clássico deste domingo pelo Brasileirão  Foto: ALEX SILVA/ESTADAO

Estadão

Não foi um dérbi de grandes emoções, tampouco o empate foi bom para Corinthians e Palmeiras na Neo Química Arena, neste domingo, pela 22ª rodada do Brasileirão. O 0 a 0 deu aos rivais um ponto, mantendo os corintianos próximos da zona de rebaixamento e tirando dos palmeirenses a chance de encurtar a diferença para o líder Botafogo, que perdeu no sábado para o Flamengo. Dez pontos separam Palmeiras e Botafogo.

Mas foi um jogo de ‘milagres’. Cássio salvou o Corinthians aos 48 minutos do 2º tempo, com defesa em chute de Breno Lopes após contra-ataque. O atacante estava cara a cara com o goleiro. No primeiro tempo, Weverton já havia impedido gol da mesma forma de Maycon, com defesa tão importante quanto. Os dois arqueiros foram os responsáveis pela falta de gols no clássico. Para os números do confronto paulista, agora são seis empates. No Paulistão, os rivais também empataram, mas por 2 a 2.

“Foi um jogo muito equilibrado. A cobrança do jogo anterior, da Sul-Americana, é justa. Mas hoje foi um jogo de igual para igual, poderíamos ter feito o gol no primeiro tempo, tivemos várias oportunidades. O Palmeiras é uma equipe muito qualificada, mas jogamos de igual para igual. Criamos chances em um jogo de poucas chances, poderíamos ter vencido, mas clássico é assim e no final das contas o resultado foi justo”, disse o goleiro.

O Palmeiras ficou com a bola a maior parte do tempo nos primeiros 45 minutos. Fez o que quis no meio de campo e na defesa do Corinthians, pela direita, pelo meio e pela esquerda, onde foi parar Artur sem Dudu, machucado. Mas foi dos donos da casa a melhor e mais clara chance de gol, num contra-ataque aos 44 minutos depois de o time de Abel Ferreira martelar o tempo todo. Só não foi gol porque Maycon bateu em cima de Weverton, que fez ótima defesa. A jogada foi puxada por Yuri Alberto pela direita com passe para o companheiro. Era só escolher o lado. Maycon chutou nas pernas do goleiro do Palmeiras, que saiu no abafa.

Nem de longe essa jogada explica o que foi o jogo. Com 15 minutos de bola rolando, o Palmeiras tinha 74% de posse de bola. Esse número caiu um pouco, mas sempre esteve do lado do visitante. O ritmo só foi interrompido quando uma pipa ameaçou cair no estádio. Ela tinha o número 51 estampado no papel, numa referência à cachaça. A torcida do Corinthians, única em Itaquera, provocou com a data de 1951, que o Palmeiras alega ter conquistado seu Mundial. “Sem Mundial, sem Mundial”, cantaram os corintianos.

O Corinthians teve pouco ataque. Yuri Alberto fazia o pivô no meio de campo para a passagem do ponta Wesley, que deu trabalho para Marcos Rocha. Era a melhor jogada do time de Luxemburgo. Rojas tinha de marcar na direita. Estava amarrado. O Palmeiras tinha a bola e o meio de campo, mas era bem marcado quando se aproximava da área rival, sempre com o abafa triplo. Gil teve muito trabalho com Rony. As bolas levantadas na área foram muitas, mas sem perigo. Uma delas, aos 23, em cabeçada de Gómez, assustou.

Expulsões

O Corinthians voltou melhor para o segundo tempo, ao menos com mais vontade de atacar. Com isso também deu mais espaço para o Palmeiras. O jogo já era mais equilibrado, truncado ainda. Não havia erros e a dedicação era dos dois lados. Aos 18, sozinho, Yuri Alberto avançou e esquentou o goleiro do Palmeiras. Weverton fez mais uma boa defesa, trabalhando mais do que seu colega Cássio.

O jogo ficou mais franco, com arremates dos dois lados. Também esfriou um pouco com as trocas dos treinadores. Aos 35, a impressão que o torcedor tinha era de que o empate sem gols estava de bom tamanho. O importante era não perder para o maior rival. Mas a verdade é que o ponto isolado que Corinthians e Palmeiras somaram não foi bom para nenhum deles. No finalzinho ainda, o duelo esquentou, com Cássio impedindo gol de Breno Lopes, aos 48 e duas expulsões de Murilo e Maycon.

“É complicado porque o Murilo reclamou com o Daronco, foi uma reclamação normal. Acho que era válido um cartão amarelo. Num jogo como esse, outros jogadores deles também reclamaram. O Daronco é um grande árbitro. Não gosto de falar sobre arbitragem, mas acho que ali não foi certo a expulsão do Murilo”, comentou Veiga, em entrevista ao canal SporTV.

CORINTHIANS 0 X 0 PALMEIRAS

  • CORINTHIANS: Cássio; Bruno Méndez, Gil, Veríssimo e Fábio Santos (Bidu); Maycon, Gabriel Moscardo (Fausto Vera), Giuliano (Ruan) e Rojas (Mosquito); Wesley (Romero) e Yuri Alberto. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.
  • PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha (Breno Lopes), Gómez, Murillo e Piquerez; Zé Rafael, Gabriel Menino (Richard Ríos) e Raphael Veiga; Maike, Rony e Artur. Técnico: Abel Ferreira.
  • CARTÕES AMARELOS: Zé Rafael, Gustavo Gómez, Lucas Veríssimo
  • CARTÕES VERMELHOS: Murilo e Maycon
  • PÚBLICO: 44.371 pagantes
  • RENDA: R$ 2.892.111,00
  • ÁRBITRO: Anderson Daronco
  • LOCAL: Neo Química Arena, Itaquera
Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese