Mauro Cid fica calado em CPI dos Atos Antidemocráticos por orientação de novo advogado

Novo advogado chegou a afirmar que cliente apontaria Bolsonaro como mandante do caso das joias, mas logo recuou

O tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid presta depoimento na CPI da Assembleia Distrital sobre os atos golpistas de 8 de janeiro Foto: Geraldo Magela / Senado

Estadão

BRASÍLIA – Sob orientação do seu novo advogado, o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de Ordens do então presidente Jair Bolsonaro (PL), decidiu não responder às perguntas da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Antidemocráticos, da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), que investiga a invasão da Praça dos Três Poderes por bolsonaristas no dia 8 de janeiro. A estratégia já tinha sido adotada no primeiro depoimento de Cid na CPMI do 8 de Janeiro no Congresso Nacional.

“Por orientação da minha defesa técnica, farei uso do meu direito constitucional de silêncio”, informou Mauro Cid nesta quinta-feira, 24, no início da sessão. Ele repetiu o discurso feito da Congresso a tal ponto de chamar a CPI da CLDF de CPMI – trocando, portanto, o termo correto da Comissão que participou.

Ao fim da sessão, Bitencourt explicou que “tem muita coisa que ele [Mauro Cid] gostaria de falar”, mas ponderou ser necessário respeitar a orientação da sua defesa.

Esse é o primeiro depoimento de Mauro Cid sob a defesa do advogado Cezar Bitencourt. Na última semana, o defensor afirmou que seu cliente confessaria a participação no esquema que desviou joias da Presidência da República e apontaria Bolsonaro como mandante. Bitencourt, no entanto, recuou, conforme revelou o Estadão. Publicamente, o advogado passou a dizer que Cid apenas cumpria ordens de “resolver o problema do Rolex”.

CLIQUE AQUI e confira a reportagem

“Eu vou dar 20 ou 30 versões, posso dizer o que quiser. A versão da defesa, efetivamente, vai vir nos autos”, justificou Bitencourt, em entrevista ao Estadão.

Antes de anunciar que permaneceria em silêncio, Cid leu um breve discurso aos deputados. Afirmou que não foi nomeado ajudante de Ordens de Bolsonaro por motivos políticos. Explicou também que, entre as funções do seu cargo, está a recepção de correspondências recebidas pelo presidente da República. “Não questionávamos o que era tratado nas respectivas agendas e reuniões. Não estava na minha esfera analisar propostas de apoiadores”, assegurou.

No início da sessão, o presidente da CPI dos Atos Antidemocráticos, deputado Chico Vigilante (PT), discutiu com Bitencourt após Cid anunciar que permaneceria em silêncio. O petista afirmou que o ex-auxiliar de Bolsonaro foi convovado à Comissão na condição de testemunha, após decisão do ministro do STF Alexandre de Moraes. O defensor negou e afirmou que o militar seria investigado, o que lhe daria direito de não responder as perguntas.

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese