PF encurrala pragmatismo político de Lula no caso Juscelino Filho

Presidente manteve no cargo ministro que usou dinheiro público para fins pessoais, como revelou o Estadão

Motorista Waldenôr Alves Catarino que foi nomeado assessor da Câmara por Juscelino Filho, mas só trabalhava na fazenda do tio do ministro dasComunicações Foto: Reprodução/Estadão e Wilton Junior/Estadão

Estadão

A Polícia Federal bateu à porta da família do ministro das Comunicações, Juscelino Filho, na manhã desta sexta-feira. Cumpriu a sina de que investigadores costumam chacoalhar o mundo político às sextas-feiras. Desta vez, é uma crônica anunciada. Mais do que isso, contada em detalhes sobre a conduta do ministro de Lula que parece cultivar o hábito de tratar a coisa pública como se privada fosse. Mas o presidente da República preferiu não ver e agora vê seu pragmatismo político encurralado pela PF.

O primeiro mês do governo petista estava no fim quando o Estadão revelou que Juscelino, como deputado federal, usou o orçamento da União para enviar verba pública ao seu curral eleitoral no Maranhão. Detalhe: o destino final era o asfaltamento de uma estrada que passa na frente da fazenda de propriedade de sua família em Vitorino Freire, cidadezinha que até hoje de manhã tinha como prefeita Luanna Rezende, irmã do ministro. Por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), ela está afastada do cargo.

CLIQUE AQUI e confira a reportagem

A PF até queria bater na porta de Juscelino, mas o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, considerou que ainda era prematuro. Mesmo assim, agora é público e notório que há no Supremo uma investigação em curso contra Juscelino Filho.

Depois que o caso da fazenda foi revelado pelo Estadão, seguiram-se outras histórias, essas já com Juscelino fazendo uso do cargo para fins pessoais. Pegou um jatinho da Força Aérea Brasileira (FAB) para ir ver desfile de cavalo no interior de São Paulo; Lula não viu problema. Colocou seu sogro para despachar e receber empresários no Ministério das Comunicações; Lula nada falou.

Houve um momento em que o Juscelino esteve por um fio no posto. Mas prevaleceu a ponderação pragmatática de que era melhor não comprar briga com aliados no Congresso.

Prestes a fazer uma reforma ministerial para agradar uns e outros e ampliar seu apoio no Legislativo, Lula tem uma nova oportunidade de repensar o caso Juscelino. Desta vez, não poderá dizer que é perseguição investigativa dos policiais.

A PF sob Lula é a mesma que está esquadrinhando e trazendo a público como o ex-presidente Jair Bolsonaro tentou guardar para si presentes que eram do Estado brasileiro. Se a atuação da PF deve ser levada a sério para Bolsonaro, para Juscelino o governo petista vai, de novo, fingir que nada há?

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese