PL barra jornalistas em evento com Michelle Bolsonaro após silêncio na PF

Apesar de credenciamento prévio, veículos de imprensa foram colocados para fora em encontro distrital do partido em Brasília; organizadores dizem que não havia espaço reservado à mídia

Evento deste sábado, 2, contará com discurso da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro. Jornalistas não puderam participar do evento Foto: WILTON JUNIOR

Estadão

BRASÍLIA – Veículos de imprensa foram colocados para fora de um evento do Partido Liberal (PL), em Brasília, onde a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) fará um discurso para apoiadoras neste sábado, 2, no Encontro Distrital do PL Mulher. Mesmo com credenciamento prévio, repórteres e cinegrafistas tiveram que se retirar de última hora sob a justificativa de que o local do encontro não tinha um espaço reservado para jornalistas.

Além do Estadão, profissionais do SBT, Correio Braziliense e da CNN Brasil foram impedidos de entrar no Hípica Hall, prédio onde está sendo realizado o evento. Na vistoria dos participantes, seguranças impediram que câmeras fotográficas entrassem no auditório onde a ex-primeira-dama irá discursar.

Os jornalistas que conseguiram entrar no espaço foram convidados a se retirar pouco tempo depois, e os que ficaram do lado de fora não tiveram permissão de passar pelos portões, que ficou fechado para a realização do encontro partidário. Houve também profissionais que foram retirados após serem “dedurados” por participantes.

Assessores do PL informaram à equipe de reportagem do Estadão que estava presente no local que o impedimento do trabalho da imprensa aconteceu porque não havia um espaço reservado aos jornalistas. Porém, em outros eventos, como na posse de Michelle na presidência do PL Mulher, em março deste ano, jornalistas puderam acompanhar a cerimônia que, inclusive, reuniu mais participantes e autoridades do que o evento deste sábado.

Silêncio de Michelle e Bolsonaro à PF

O impedimento do trabalho da imprensa aconteceu dois dias depois de Michelle, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e mais seis pessoas serem intimadas a prestarem um depoimento simultâneo na Polícia Federal (PF), que investiga o esquema de venda ilegal de joias recebidas pela Presidência da República. O casal presidencial preferiu ficar em silêncio durante a oitiva, sob a justificativa de que o Supremo Tribunal Federal (STF), que acompanha as investigações da PF e autoriza operações, quebras de sigilo e buscas, não seria competente para o caso.

Deflagrada em 11 de agosto, a Operação Lucas 12:2 da PF revelou que aliados do ex-presidente teriam vendido joias e outros objetos de valor recebidos em viagens oficiais da Presidência da República. Segundo a PF, essas peças, que deveriam ser incorporados ao acervo da União, foram omitidas dos órgãos públicos, incorporadas ao estoque pessoal de Bolsonaro e negociadas no exterior para fins de enriquecimento ilícito.

As tentativas de vender as joias só foram paralisadas após o Estadão revelar, em março, que auxiliares de Bolsonaro tentaram entrar ilegalmente no Brasil com um kit composto por colar, anel, relógio e um par de brincos de diamantes entregues pelo governo da Arábia Saudita, que seriam posteriormente entregues para Bolsonaro e Michelle.

Em uma troca de mensagens entre Mauro Cid e Marcelo Câmara, dois auxiliares de Bolsonaro que também foram intimados a prestar depoimento simultâneo à PF nesta quinta, é discutida a legalidade da venda das joias e Marcelo cita que um item teria “desaparecido” com a ex-primeira-dama. “O que já foi, já foi. Mas se esse aqui tiver ainda a gente certinho pra não dar problema. Porque já sumiu um que foi com a dona Michelle; então pra não ter problema”, disse.

Para a PF, a troca de mensagens pode indicar que outros objetos podem ter sido desviados pelo grupo. “As mensagens revelam que, apesar das restrições, possivelmente, outros presentes recebidos pelo ex-presidente Jair Bolsonaro podem ter sido desviados e vendidos sem respeitar as restrições legais, ressaltando inclusive que ‘sumiu um que foi com a dona Michelle”, afirmou a PF.

Longe da imprensa e da PF, Michelle ironiza escândalo

Desde que se tornou uma das investigadas pela PF, a ex-primeira-dama aparece ironizando a situação que ameaça afetar o capital eleitoral e a situação jurídica do ex-presidente Jair Bolsonaro. Antes de ir ao depoimento simultâneo na última quinta, ela postou um vídeo treinando MMA (sigla em inglês para artes marciais mistas) com a legenda: “Das porradas da vida, essas são as melhores”.

No último sábado, 26, em um outro evento do PL Mulher, dessa vez em Pernambuco, ela disse que ia criar uma linha de produtos chamada “Mijoias”, por ser questionada sobre o destino dos objetos no caso investigado pela PF.

“Tem um povo tão atrapalhado, se fosse lá em Brasília eu ia falar um povo tapado, que fica assim: ‘Cadê as joias, você não vai entregar?’ Querida, a joia está na Caixa Econômica Federal. Mas vocês pediram tanto, vocês falaram tanto de joias que, em breve, nós teremos lançamento: ‘Mijoias’ para vocês”, disse, sob aplausos de aliadas.

Naquela ocasião, a ex-primeira-dama afirmou ainda que teve a reputação “achincalhada” e que faria “do limão uma limonada docinha”.

Naquela ocasião, Michelle também disse que as indagações sobre o comércio ilegal de joias recebidas em viagens oficiais ocorrem para desviar o foco da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, que investiga os atos de invasão e depredação dos prédios dos Três Poderes. A ex-primeira-dama também afirmou que Bolsonaro não perdeu as eleições, já que uma grande bancada de aliados do ex-presidente foi escolhida para compor o Congresso Nacional.

Compartilhe esta notícia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese